Home / Notícias / CULTURA DO PIAUÍ
05/08/2010 | 11:11:09 CULTURA DO PIAUÍ

Você conhece as lendas de Teresina? Cabeça de Cuia...

Lendas do Piauí Lendas do Piauí

As lendas surgiram do imaginário popular e foram criadas para contar coisas que não têm explicações científicas comprovadas, como acontecimentos misteriosos ou sobrenaturais. As lendas, pelo fato de serem repassadas oralmente de geração a geração, sofrem alterações à medida que vão sendo recontadas.

A lenda do Cabeça de Cuia é a mais lembrada pelos piauienses e também pelos turistas, por conta do Encontro da Águas, que tem uma estátua representando essa lenda. Assim como quase todas as lendas que fantasiam e atraem a imaginação do povo brasileiro, é contada de várias formas e possui várias versões, e a cada pessoa que a estória é passada, transmite-se novos fatores que acabam por afastar da realidade a verdade sobre a lenda.

São muitas as lendas piauienses, destacando-se entre ela :, Num-se-pode, A porca do dente de ouro, Miridam, Zabelê e como já citada, a do Cabeça de Cuia. Conheça agora, algumas dessas lendas.

Cabeça de Cuia
Crispim era um pescador que vivia da pesca nas águas do Rio Parnaíba e habitava as suas margens, nas imediações em que o rio recebe as águas do Rio Poti, na zona norte de Teresina. Morava com a mãe já velha e adoentada.

Certa vez, depois de passar um dia inteiro sem nada conseguir pescar, Crispim volta para casa, cheio de frustração e revolta. Pede à mãe alguma coisa para comer e esta lhe serve o que pode: uma rala sopa de osso. Irritado, Crispim grita que aquilo é comida para cachorro e, em seguida, pega o osso e parte para cima da mãe, atingindo-a várias vezes.

Desesperado, o pescador sai correndo porta afora e joga-se nas águas do rio, enquanto a mãe, agonizando, lança-lhe uma maldição: haveria de se transformar num terrível monstro, que só descansaria quando lhe forem sacrificadas 7 virgens chamadas Maria.

Crispim vira o Cabeça-de-Cuia, que surge do fundo das águas para assustar as lavadeiras e ameaçar os pescadores que pesquem em excesso, além do que precisam. Dizem que, durante a noite, o Cabeça-de-Cuia se transforma num velho e sai vagando pelas ruas de Teresina.

Num-se-pode
É uma lenda tipicamente Teresinense. Conta a história de uma linda mulher que, tarde da noite, aparecia na Praça Saraiva ostentando sua beleza debaixo de um dos lampiões ali existentes.

Movidos por aquela bela aparição, os homens se aproximavam para conversar, ou quem sabe, aventurar mais uma conquista. Ao chegarem perto, a linda mulher pedia-os cigarro, e quando recebia começava a crescer, crescer, até atingir o topo do lampião de gás e nele acender o cigarro. Enquanto crescia, ela repetia: "num-se-pode, num-se-pode, num-se-pode,..."


A porca do dente de ouro
Diz a lenda que uma moça travara uma briga sem cabimento com sua mãe, dando-lhe uma bruta dentada. Desde então, vivia trancada no quarto, só via sua mãe que lhe levava a comida. À meia-noite transformava-se em porca e saia pelos subúrbios assombrando as pessoas por ser provida de uma tromba crescida e coberta de uma coisa brilhosa de onde saía uma ponta saliente como se fosse um monstruoso dente de ouro.

Miridam
Era a mais bela jovem da tribo dos Acaraós. Como sua mãe não resolvia dar-lhe em casamento a nenhum jovem do lugar, ela manteve um amor proibido, às escondidas de todos. Não sabendo como esconder o filho desse amor, colocou-o num tacho e soltou a pobre criança nas águas do rio Paraim. As águas do rio se transformaram num imenso lago. É hoje a chamada lagoa de Parnaguá, localizada no sul do Piauí.

A mãe-d'água recolheu e criou a criança e jogou uma maldição na desditosa mãe. Dizem que ainda hoje o filho da mãe-d'água aparece na superfície da lagoa. Ninguém conseguiu até agora desencantá-lo e ele continua aparecendo, já velho, de barbas brandas à luz do luar, ou douradas ao entardecer. Dizem, também, que ele aparece como criança nas primeiras horas da manhã. À tarde se torna adulto e à noite é um velho de barbas brancas. Existe, ainda, uma variante desta lenda com o nome de Barba-ruiva.

Zabelê
Era a filha do chefe da tribo dos Amanajós. Ela amava Metara, índio da tribo dos Pimenteiras, terríveis inimigos dos Amanajós. Zabelê e Metara se encontravam secretamente. Mas Mandaú desconfiou daquelas andanças. É que ele vivia magoado com Zabelê, porque se via preterido por um inimigo e nunca conseguia que seu amor fosse correspondido. Mandaú descobriu o local do encontro dos dois. Certa vez resolveu levar algumas testemunhas para desmascarar Zabelê. Os dois amantes foram surpreendidos, surgindo uma briga generalizada. Depois de tanta luta, morrem Zabelê, Metara e Mandaú. O fato deu origem a outra guerra que durou sete sóis e sete luas. Mas Tupã teve pena dos dois amantes e resolveu transformá-los em duas aves que andam sempre juntas e cantam tristemente ao entardecer. Mandaú foi castigado e transformado num gato maracajá, que anda sempre perseguido pelos caçadores (por causa do valor da sua pele). Zabelê vive cantando ainda hoje a tristeza do seu amor infeliz.

 

Repórter: Jéssyca Lages
Fonte: 180graus
Tags: cabeca de cuia, lendas do piaui, num se pode, miridam, zabele
AVALIE
COMPARTILHE Twitter Facebook MySpace StumbleUpon Del.icio.us Digg Google Messenger Technorati


notícias relacionadas

DESFILE NO SHOPPING 22/10/2010 | 09:56:32

TERESINA FASHION: Oito lojas apresentaram suas coleções

CULTURA DO PIAUÍ 05/08/2010 | 12:11:27

Você conhece as lendas de Teresina? Cabeça de Cuia...


comentários

Seja o primeiro a deixar um comentário.

comente também

loading...





enquete

Qual tipo de música você mais gosta de ouvir?


Escolha uma opção:


Captcha
resultado parcial loading








testes

Todos os testes

Você sabe se vestir bem? Descubra se você é uma expert no assunto!

Você sabe se vestir bem? Descubra se você é uma expert no assunto! Fazer o teste



Desenvolvido por Leandro Sales - Programador e Analista - Tel: +55 86 9427-5626 - Compra coletiva Teresina